Crise econômica: poupança ou fundo de emergência?

Compartilhe essa notícia!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O projeto #EmCasa traz mais informações sobre economia, poupança e dicas para você. Um conteúdo produzido de casa para você acompanhar na sua casa durante esse período de isolamento social, devido à pandemia que estamos vivendo. Apresentada pelo professor e advogado do direito do consumidor, Lindojon Bezerra, a dica de hoje é sobre o uso da poupança e a diferença do fundo de emergência.

Como sabemos, muitas pessoas estão vivendo em isolamento social, e devem estar. Para desta maneira, seguirmos todas as orientações do Ministério da Saúde e evitarmos a contaminação do Coronavírus. Com tudo isso, muitas pessoas estão sem trabalhar. Nós sabemos que hoje, no Brasil, a maioria dos idosos além de já estarem aposentados, continuam trabalhando, pois precisam dessa renda. E com essa crise? Como manter todos em casa? Como continuar vivendo financeiramente? Uma das primeiras ideias é: “Ah! Vou usar minha poupança!”.

Mas essa não é necessariamente a melhor opção neste momento. Nossa poupança é um dinheirinho que deve estar investido, rendendo mais dinheiro e protegido para algum projeto específico, como a troca de carro, casa, uma viagem com a família e outros planos que você pode ter.

O que fazer nesse momento então? O ideal é você ter uma reserva ou fundo de emergência. Muitos podem pensar: “Mas eu não tenho isso!”. Então, vamos entregar uma dica de ouro para que nas próximas crises você possa estar bem preparado!

Como juntar esse fundo de emergência então? O objetivo é você ter como sobreviver durante um ano. Ou seja, deve calcular qual é o seu gasto para pagar as contas todo mês e juntar 12x esse valor.

Exemplo: se para pagar suas contas você gasta R$1.000,00 todo mês, no seu fundo de emergência deve ter R$12.000,00;

Quando você recebe seu dinheiro, você deve pensar que assim que o salário entra… uma parte, nem que seja pequenininha, deve ir para o seu fundo de emergência, outra parte para a poupança e investimentos, outra parte para pagar as contas e aí sim gastar o restante.

Parece difícil? Anote as dicas e aos poucos você vai construindo seu fundo de emergência. Assim, nas próximas crises você não precisará recorrer à sua poupança.

 

Fechar Menu
Abrir Conversa
Olá, bem vindo(a)!

Como podemos te ajudar?